Pele do bebé – uma proteção muito delicada

A pele é o maior órgão do corpo humano, sendo mais complexa do que aparenta. Trata-se de mais do que um revestimento externo: é responsável pela regulação da temperatura do nosso organismo e funciona como uma barreira contra várias agressões externas, desde microrganismos (como os vírus e as bactérias) a poluentes, passando por lesões físicas e pela radiação solar. Uma só palavra pode descrever a principal função da pele – proteção. Contudo, esta é uma função que não está em pleno, logo após o nascimento. À semelhança do que acontece com outros órgãos, a pele do bebé ainda não está completamente desenvolvida no momento do parto. Na verdade, esta continua em desenvolvimento ao longo do primeiro ano de vida do bebé. Assim:
  • A pele do recém-nascido é sensível, fina e frágil;
  • As glândulas (conjuntos de células responsáveis pela produção de substâncias específicas) existentes na pele – sudoríparas (responsáveis pela produção de suor) e sebáceas (responsáveis pela produção de gordura ou sebo) –  estão pouco ativas logo após o nascimento, o que pode comprometer a função de barreira da pele;
  • O pH à superfície da pele do recém-nascido tende a ser neutro (com o passar dos meses, por norma, torna-se mais ácido), o que pode condicionar a função protetora da pele contra, por exemplo, o crescimento bacteriano.
Todas estas particularidades fazem com que seja, de facto, essencial cuidar bem desta pele frágil do bebé, proporcionando-lhe cuidados adequados, com a ajuda de produtos especificamente concebidos para tal. Gestos delicados e carinhosos completam esta equação que vai deixar a pele saudável e o bebé feliz.